Feira Nacional de Agricultura

O governo brasileiro quer transformar a cooperação Brasil-China na área de desenvolvimento de mapas satelites em nova oportunidade para a realização de acordos de compensação comercial, industrial e tecnológica. Na época do lançamento do primeiro satélite, as empresas brasileiras do setor espacial entregaram ao Ministério das Relações Exteriores uma lista com cerca de 40 produtos, entre equipamentos de processamento de dados, computação, automação, telecomunicações e similares, que poderiam ser comercializadas pelo país.

Entre as empresas que contribuíram para a lista estavam a Imagem Sensoriamento Remoto, Tecsat, Mectron e Sccon. Mas, por enquanto, não houve o retorno esperado da parte dos chineses. Os dois países desenvolveram juntos dois satélites de sensoriamento remoto (CBERS 1 e 2) e já trabalham no projeto do CBERS 3 e 4. O primeiro colocado no espaço em outubro de 1999 e o segundo deve ser lançado em primeiro semestre de 2002. Agora, a AEB promete um posicionamento mais firme do Brasil no projeto dos satélites 3 e 4.

O Brasil investiu US$ 100 milhões no projeto CBERS 1 e 2 e arcou com a metade dos custos de lançamento do primeiro satélite, no valor de US$ 15 milhões. Segundo a Agência Espacial Brasileira, no CBERS 1 e 2, o acordo de cooperação tinha uma cláusula que estabelecia apenas a intenção dos chineses em comprar produtos da industria aeroespacial brasileira como forma de compensação pelos contratos do Brasil com a China. Durante as palestras, foram demonstrados alguns avanços tecnológicos,  agricultura orgânica, energias solar e eólica e também a agricultura de
precisão segundo a informação geoespacial.

A XII Feira Nacional da Agricultura Irrigada – Fenagri 2001, que reúne em Juazeiro (BA) empresários dos principais países importadores das frutas baianas, deu um destaque especial à agricultura de precisão. A informação geográficas contaram com 306 estandes, numa área de 20 mil metros quadrados no pátio da Feira Livre com aproximadamente 200 empresas de tecnologia, fomento, transporte, marketing e insumos que buscaram estreitar as relações com as companhias produtoras da região.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s